Sejam bem vindos ao nosso novo modelo de Blog! Como havia dito antes blog não é imprensa é um diário pessoal, portanto, entrem e fiquem a vontade para folhear o meu diário, onde registro minha ótica sobre tudo o que acontece ao meu redor, é um prazer tê-los aqui. Espero que gostem da nova aparência do Blog do Diego Sousa!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Debate: concessão não é privatização

Até as pedras sabem que a concessão das operações dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília nada tem a ver com privatização.

Por Walter Pinheiro*, na Folha de S. Paulo

Até as pedras sabem que a concessão das operações dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília nada tem a ver com privatização.
A insistência no uso desse termo tem por único objetivo confundir a opinião pública, arrastando o PT para a vala comum daqueles que, no governo Fernando Henrique Cardoso (1994-2002), depreciaram e depois passaram para as mãos de particulares grande parte do patrimônio construído com suor e sangue da sociedade brasileira.
Ao contrário do que ocorreu com a privatização promovida pelo governo do PSDB, quando empresas estatais de mineração (Vale), de siderurgia (CSN), de telecomunicações (sistema Telebrás) e a Rede Ferroviária Federal foram passadas para a iniciativa privada (em operações até hoje nebulosas), esses aeroportos continuarão patrimônio do povo brasileiro.
O cidadão que paga aluguel sabe que o imóvel que aluga jamais será seu ao final do contrato. Ele tem duas opções: renovar o aluguel ou devolver o imóvel ao seu dono.
Isso também vai acontecer com os aeroportos quando o prazo de concessão vencer: nem durante, nem ao final da concessão os aeroportos passarão à propriedade das concessionárias. Não se trata de privatização.
A concessão dos aeroportos trará lucros para o país. Esse compartilhamento da gestão em Guarulhos, em Viracopos e em Brasília representou um aporte de recursos da ordem de R$ 24,5 bilhões.
É um dinheiro extra que vai possibilitar ao governo investir na modernização e na construção de novos aeroportos - oito vezes mais do que o valor que foi possível investir desde 2003 para atender à crescente demanda do setor.
E isso será feito não apenas por causa da Copa do Mundo de 2014, mas porque a população brasileira estará cada vez menos pobre. E, em função das dimensões continentais do país, essa população buscará sempre o conforto de um transporte mais veloz e seguro.
Entre o planejamento e as obras civis, a construção de um aeroporto leva tempo. Guarulhos começou a ser pensado em 1967 e teve as suas obras iniciadas em 1980. O início das suas operações aconteceria somente em 1985.
Democratização dos aeroportos

Reflexo da melhoria das condições de vida da nossa população, a evolução da movimentação de passageiros no transporte aéreo do Brasil vem crescendo de forma descomunal desde 2003, ano em que foram transportados 71,2 milhões de passageiros - em 2002, foram 62,6 milhões.
Para se ter uma ideia, a projeção do número de passageiros que seriam transportados em 2015, feita em 2005 pelo antigo DAC (Departamento de Aviação Civil), de 152,6 milhões de passageiros, foi batida em dezembro de 2010, quando o total de passageiros transportados atingiu a impressionante marca de 155,3 milhões.
Em 2011, foram 179,9 milhões, como se quase toda a população brasileira tivesse voado.
O aumento no número de passageiros não ocorreu por acaso. Ele é resultado da política econômica adotada pelos governos do PT desde 2003.
Foi privilegiado o crescimento econômico com geração de emprego e renda. Promoveu-se a maior mobilidade social da história do Brasil, com dezenas de milhões de brasileiros ascendendo à classe média.
Essa gente contribuiu para ampliar significativamente a demanda dos serviços aeroportuários. Além de investimentos em aeroportos, isso exigiu a ampliação da frota e criou oportunidade para o surgimento de novas empresas no setor.
Diante desse crescimento, de fazer inveja às taxas chinesas, é natural que o governo compartilhe com a iniciativa privada a administração de alguns dos seus maiores aeroportos, oferecendo mais agilidade nas operações e mais conforto para os usuários.

*Walter Pinheiro é senador pela Bahia e líder do PT no Senado

2 comentários:

J. BRUNO disse...

Eu sou totalmente contra as privatizações, no passado este foi um meio de o Estado se livrar da responsabilidade de administrar instituições e empresas que estavam jogadas às traças... Quem sabe se ao invés de terem sido privatizadas, a Vale, a CSN, e as companhias telefônicas tivessem aberto capital na forma de economia mista, tal como o Banco do Brasil, não teria se resolvido o problema da má administração e ainda trazido lucros exorbitantes para o Estado. O resultado do BB no segundo semestre do ano passado, divulgado ontem, é uma prova cabal disso...

http://sublimeirrealidade.blogspot.com/
http://www.facebook.com/sublimeirrealidade

Luiz Santos disse...

Diego,
Qual sua opinião sobre o assunto acima?

Postar um comentário